10 blocos para curtir o carnaval de São Paulo

Abram alas para o carnaval! Fevereiro no Brasil é sinônimo de carnaval, festa que muitas esperam para brilhar e dançar até a quarta-feira de cinzas, e outras para curtir  o feriado prolongado.

Para alegria das que gostam de carnavalizar, há cada vez mais opções de bloquinhos de rua, festas e desfiles que arrastam multidões animadas pela cidade. E você pensa que não tem mulherada fazendo bonito e comandando a folia? Tem sim! Por isso, o Guia Maria Firmina reuniu dez blocos pra você curtir.

Desculpa qualquer coisa, Siriricando e Siga bem caminhoneira, colocam na pauta (e na rua!) a visibilidade lésbica. Ritaleena e Pagu homenageiam importantes mulheres da história do Brasil. Ilú Obá de Min resgata a ancestralidade africana com o primeiro bloco afro paulistano. Frevo Mulher, Forrozin  e Perón é festa estreiam nas ruas da cidade trazendo um pouco do carnaval nordestino para o sudeste. Por fim, Dona Yayá sai às ruas para falar sobre pautas de igualdade de gênero, além de, é claro, muita folia.

Foto: Roberto Assem
Ilu Obá de Min

Mãos femininas que tocam tambor para Xangô, ou Ilú Obá de Min, traduzido para o yorubá, a associação cultural organiza um bloco de carnaval com base nas raízes africanas e na mulher. Com uma bateria composta integralmente por mulheres, o tradicional bloco paulistano – que está nas ruas desde 2005 – apresenta em 2018 uma festa que reverencia as mulheres quilombolas com o tema Akotirenes Yibi das Mulheres Quilombolas.

Quando? 9 e 11/2. Sexta-feira, das 19h às 22h e domingo, das 14h às 19h
Onde? 9/2 – Praça da República – Concentração às 19h, com saída sentido Largo do Paissandu
11/2 – Rua Barão de Piracicaba – Concentração às 14h, com saída sentido Rua Júlio Conceição

Foto: Jal Vieira
Ritaleena

Há quatro anos fazendo carnaval de rua na cidade, o Ritaleena tem como norte a roqueira Rita Lee e sua vocação para vanguarda e rebeldia. Neste ano a festa comemora os 70 anos da cantora, completados em 31/12, e tem como inspiração as músicas “Sucesso, Aqui Vou Eu” do álbum Build Up (1970) e “Dias Melhores Virão” do filme de mesmo nome de Cacá Diegues (1989). Portanto não faltarão plumas, paetês e muito brilho.

“Rita Lee é gigantesca. É uma artista que atravessou gerações com um enorme apelo popular. Junto com Adoniran, foi ela quem mais cantou São Paulo. Ela é um símbolo de humor, de crítica, e das mil faces femininas que podem ser criadas”, conta Alessa, musicista, cantora e uma das idealizadoras.

Quando? 10/2, sábado, das 14h às 19h
Onde? Ipiranga – Praça do Monumento, saída às 15h com trajeto a confirmar

Perón é festa

Outra estreia para o carnaval 2018! Comandado pela cantora e atriz Renata Perón, o bloco Perón é festa surge com a  ideia de resgatar as marchinhas de carnaval e os axés antigos, explorando as três décadas de produção desse gênero musical.

Quando? 10/2, sábado das 17h às 22h
Onde? Largo do Arouche – Saída às 18h, sentido Praça da República

Forrozin

O bloco Forrozin, comandado pela cantora Mariana Aydar, estreia no carnaval de São Paulo com o grande compositor e músico Gilberto Gil, além de As Bahias e a Cozinha Mineira e Mestrinho! Em parceria com a Associação Acadêmicos do Baixo Augusta, o bloco tem no repertório canções Geraldo Azevedo, Dominguinhos, Edson Duarte, entre outros, uma verdadeira celebração a música nordestina com mais de 60 músicas durante o cortejo.

Quando? 12/2, segunda-feira, das 10h às 15h
Onde? Esquina das Avenidas Ipiranga e São João – Saída às 11h sentido Praça da República

Foto: Divulgação
Pagu

“Mas é preciso ter força, é preciso ter raça, é preciso ter gana sempre”. No segundo ano de Pagu, a folia pede mais respeito e igualdade de gênero. O repertório, tocado por uma bateria com mais de 80 ritmistas, é formado por canções clássicas famosas na voz de grandes intérpretes femininas da música como Elis Regina, Margareth Menezes, Gal Costa, Clara Nunes, Elza Soares, Marisa Monte, Maria Bethania, Rita Lee, Marina Lima, Ivete Sangalo, Daniela Mercury, Cassia Eller, Elba Ramalho, Beth Carvalho, entre outras.

Quando? 13/2, terça-feira, das 15h às 20h
Onde? Largo Páteo do Colégio – Saída às 16h com trajeto a confirmar

Siriricando

“Quem não tem sua siririca, siririca mesmo só, porque sem siriricar essa vida é uó”. O trecho do hino oficial do bloco siriricando mostra que, de 2017 pra cá, a visibilidade lésbica tem sido muito pautada do carnaval paulistano! Em sua segunda edição, o bloco convida todas as mulheres a participarem na Bela Vista, já que assim como a siririca, o bloco é livre e acessível para qualquer uma. No repertório não falta axé, funk, pop e marchinhas de carnaval ressignificadas (o hino oficial, por exemplo, é uma versão de “Sassaricando”).

Quando? 17/2, sábado, das 15h às 20h
Onde? Rua Pedroso, 238 – Saída às 16h20 em direção a Praça Dom Orleone

Siga bem caminhoneira

Colocando o caminhão na rua desde 2017, a segunda edição do bloco de visibilidade lésbica percorre as ruas do centro de São Paulo com um repertório repleto de funk, axé, brega, sertanejo, pop, entre outros ritmos. Na bateria, mais de 100 mulheres, três vocalistas e participação especial do Bonde do Só Vem, grupo de funk com temáticas lésbicas.

“Acreditamos que o L da sigla LGBT vive num gueto escuro sem visibilidade e quando ela existe normalmente há uma fetichização. O Siga Bem dentro do carnaval mostra que as mulheres lésbicas existem e que elas são diversas, não são apenas um estereótipo de sapatão criado pela sociedade. Além disso é um espaço para mulheres se sentirem livres e seguras para mostrarem seus corpos e viver sua sexualidade”, explica Leka Peres, uma das organizadoras do evento.

Após o cortejo, acontece uma festa na Quenga Paulista.

Quando? 18/2, domingo, das 14h às 18h
Onde? Quenga Paulista – Rua Treze de Maio, 886 – Saída às 15h pelas ruas do bairro, com retorno às 18h para a festa

Carnaval sem assédio
No carnaval (e em todos os outros espaços) o assédio precisa ser denunciado! Caso se sinta violada ou desrespeitada em algum momento, grite, faça barulho e se manifeste porque com certeza outras te darão apoio. Vale falar para autoridades como polícia militar ou civil, caso tenha algum policial acompanhando o seu bloco. Juntas somos mais fortes.


Foto: Murilo Marcio
Desculpa qualquer coisa

Espaço de diversão com respeito, pluralidade e voltado para mulheres lésbicas e bissexuais, sejam elas cis ou trans. Assim se define o Desculpa qualquer coisa, primeiro grande bloco lésbico da cidade, que convidou o público LGBT a ocupar o centro.

Axé, pop, funk, arrocha, sertanejo e brega animam o cortejo que reúne um line-up só com mulheres e performances com Drag Queen e Drag King.

Quando? 3/2, sábado, das 15h às 20h.
Onde?  Rua Augusta (entre as ruas Matias Aires e Fernando de Albuquerque), com saída às 16h sentido Rua Martins Fontes (centro).

Foto: Daniel Ebendinger
Frevo Mulher

Estreando em 2018, o bloco da cantora e compositora Elba Ramalho promete muito frevo e forró no carnaval de São Paulo. Comandando a festa que acontece no Parque Ibirapuera, Elba emenda no bloco Bicho maluco beleza, de Alceu Valença.

Quando? 3/2, sábado, das 12h às 15h
Onde? Monumento às bandeiras – Parque Ibirapuera

Foto: Divulgação
Dona Yayá

Completando 18 anos de fuzarca feminista da Yayartes, a União de Mulheres de São Paulo convida o público a pular carnaval pelas ruas do Bixiga. O bloco conta com a participação dos blocos amigos Fuá, Mal Amadas e Maio nu Rego. Crianças são mais que bem-vindas na ala especial Yayá Mirim.

Quando? 4/2, domingo, das 16h às 20h
Onde? União de Mulheres de São Paulo – Saída às 16h da Rua Coração da Europa, 1395, com trajeto pelas ruas adjacentes do Bixiga