8 escritoras LGBT que você precisa conhecer

Por Nathália Rocha*

Hoje é Dia do Orgulho LGBT. A data é uma referência às Revoltas de Stonewall, uma série de manifestações de membros da comunidade LGBT contra uma invasão da polícia de Nova York no dia 18 de junho de 1969 ao bar Stonewall Inn, comumente frequentado por integrantes do grupo.

Ao longo do mês, alguns eventos foram realizados para relembrar a importância da luta pelos direitos desse grupo, como a 22ª Parada do Orgulho LGBT de São Paulo e a XVI Caminhada de Lésbicas e Bissexuais.
Para abordar abordar o mês do orgulho LGBT não como uma celebração, mas pelo aspecto político que carrega, preparamos uma lista com 8 escritoras LGBT que você precisa conhecer:

Audre Lorde

Escritora americana de descendência caribenha, feminista, lésbica e ativista na luta pelos direitos humanos, sua obra foi publicada a partir da década de 1960. Os temas mais abordados em sua obra são classe social, sexualidade, feminismo, direitos humanos, opressão, nascimento, raça, gênero e saúde.

Alison Bechdel

É uma cartunista norte-americana, uma das primeiras a publicar tirinhas lésbicas nos EUA, e a criadora do “teste de Bechdel” (uma avaliação sobre a forma como mulheres são retratadas em filmes, séries e produções literárias). Suas tirinhas retratam mulheres, principalmente mulheres lésbicas em episódios políticos, intelectuais e amorosos no contexto de uma cidade americana de médio-porte.

Virginia Woolf

Nascida em 1882 em Londres, foi criada em um meio em que convencionalismos sociais e repressão tinham grande força. Dentro desse ambiente marcado pela “moral”, pelo preconceito e superficialidade, Virginia Woolf, aos 30 anos, acabou se apaixonando pela escritora Vita Sackville-West. Elas mantiveram uma relação secreta que duraria anos e cujo resultado seria a obra Orlando (1928), que retrata uma heroína transexual que amará homens e mulheres em distintos pontos da obra.

Sapphire

Sapphire, o pseudônimo que Ramona Lofton usa, é uma mulher bissexual autora de romances e poesias. Seu trabalho explora idéias sobre raça, sexualidade e as incríveis profundezas do desespero humano. Seu primeiro livro, Push (1996), tornou-se o filme vencedor do Oscar “Preciosa”.

Elizabeth Bishop

Poeta, lésbica nascida nos Estados Unidos mas com boa parte de sua obra construída no Brasil. Ao longo de sua vida, escreveu 101 poemas e muitas cartas, muitas delas fruto de seu romance com a arquiteta Lota de Macedo Soares. Essas correspondências foram reunidas em 1976 e publicadas no Brasil em 2008 sob o título “Uma arte: as cartas de Elizabeth Bishop”.

Cassandra Rios

Precursora da literatura erótica e lésbica no Brasil. Em plena ditadura, escrevia cenas amorosas explícitas entre mulheres e também retratava os preconceitos que sofria. Seu livro de estreia foi “A Volúpia do Pecado”, chegando a vender mais de 300 mil exemplares. Foi a primeira a falar abertamente sobre a vivência das lésbicas no Brasil, sofrendo muita censura e perseguição durante o regime militar. Suas principais obras são “Copacabana Posto 6 – A Madrasta” (1972) e “Eu Sou Uma Lésbica” (1979).

Ryane Leão

Já conhecida aqui no Guia, Ryane Leão, é poeta e professora, nascida em Cuiabá e atualmente residente em São Paulo. Ficou conhecida ao divulgar seu trabalho na página Onde jazz meu coração. Em 2017, publicou Tudo Nela Brilha e Queima, coletânea de poemas sobre sua experiência enquanto mulher negra e lésbica.

Amara Moira

Uma referência no movimento feminista, Amara Moira se apresenta como travesti, feminista e escritora. É também doutora em literatura pela Unicamp, bissexual e autora do livro “E Se Eu Fosse Puta” (2006), que conta suas experiências trabalhando como prostituta. Também publicou, junto com João Nery, Márcia Rocha e Tarso Brant, a obra “Vidas trans: A coragem de existir” (2017).

* Nathália Rocha é jornalista, feminista e trabalha com projetos de comunicação e advocacy ligados a causas sociais.