Atrizes trocam serviços domésticos por leitura na periferia de SP

Imagina se a leitura pudesse ser a moeda de troca por um serviço? É isso que a Coletiva ELAS propõe no jogo performático Cuidando da casa.

O grupo artístico oferece às donas de casa do Jaraguá, zona norte de São Paulo, trabalhos domésticos – lavagem de roupa, limpeza da casa ou preparação de comida – e como pagamento pedem que elas leiam trechos de obras feministas. “Esperamos levantar algumas interrogações, mas mais do que isso, o nosso interesse criar um espaço de diálogo e reflexão de questões enquanto mulheres”, conta a atriz Rafaela Castro, líder da coletiva.

Não é uma tentativa de levar mulheres para movimentos feministas ou algo do tipo. É uma forma de criar um espaço de compartilhamento de ideias e angústias, de saber que essas mulheres – que são em sua maioria da mesma geração de nossas mães, que vivem na periferia como nós – estão pensando sobre ser e existir mulher

Dentre as obras oferecidas para as donas de casa estão Mulher, raça e classe, de Angela Davis, Quarto de despejo, de Carolina Maria de Jesus, Sobrevivi… Posso contar, de Maria da Penha e O segundo sexo, de Simone de Beauvoir, entre outros. Durante todo o processo dos serviços, as atrizes conversam com as participantes, questionando-as sobre o conteúdo lido, e ficam disponíveis enquanto trabalham para sanar eventuais dúvidas da leitura.

Feminismo na prática? Não necessariamente, explica Rafaela. “Não é uma tentativa de levar mulheres para movimentos feministas ou algo do tipo. É uma forma de criar um espaço de compartilhamento de ideias e angústias, de saber que essas mulheres – que são em sua maioria da mesma geração de nossas mães, que vivem na periferia como nós – estão pensando sobre ser e existir mulher”.

Coletiva ELAS | Foto: Divulgação

Nas visitas, as atrizes percebem as diferenças e semelhanças entre as mulheres que participam da ação: a pluralidade esbarra sempre em questões de raça e idade. É pelo cuidado e pela troca que acontecem nos encontros que a coletiva acredita transformar e ser transformada.

Cuidando da casa faz parte do projeto M.U.L.H.E.R. A proposta é que as vivências com as donas de casa sejam utilizadas para inspirar uma performance cênica, que será apresentada ao público em julho na EMEF Brigadeiro Henrique Raymundo Dyott Fontenelle e no CEU Pêra Marmelo.

Conhece alguém que possa se interessar por essa troca de serviços domésticos por leituras? A única exigência é que a mulher more no Jaraguá ou proximidades! Entre em contato com as atrizes da Coletiva Elas: coletivaelas@gmail.com ou (11) 98651-4838